Tópico 4: Projetos de futuro da habitação

A Serendix concluiu a primeira casa japonesa impressa em 3D em apenas 23 horas e 12 minutos. A Serendix é o primeiro fabricante de habitações no Japão a realizar uma casa impressa em 3D. Denominada Esfera, apresenta uma estrutura de betão armado de 20 toneladas métricas e menos de 10 m2, o que a torna isenta dos regulamentos de construção japoneses. A estrutura dupla reforçada com nervuras cumpre o desempenho de isolamento térmico das normas europeias e os engenheiros certificaram-se de que também satisfaz o elevado desempenho sísmico das normas japonesas.

A primeira fase da tecnologia de construção com impressão 3D, o projeto “Wolf Ranch”, composto por 100 casas, está quase concluída no estado do Texas, EUA. Estas casas isoladas, que estão a ser construídas com recurso a impressoras 3D, serão a maior área residencial produzida desta forma. As suas dimensões variam entre 140 e 195 metros quadrados, com 3 ou 4 quartos, 2 casas de banho e tecnologias de casa inteligente apoiadas por energia solar. Os preços destas casas variam entre os 476.000 e os 560.000 dólares.

A Universidade de Kitakyushu, no Japão, adoptou uma abordagem invulgar para a construção de habitações sustentáveis e de baixo custo, centrando-se numa matéria-prima pouco convencional: fraldas de bebé. No modelo desenvolvido, as fraldas de bebé usadas são lavadas, secas e depois misturadas com água, areia e gravilha durante 28 dias. Este processo melhora a sua interação com o cimento. Como resultado, a utilização desta liga em materiais de construção como o betão e os tijolos pode levar a uma poupança de até 40%.

Source: Figure 1 | Scientific Reports (nature.com) Application of non-degradable waste as building material for low cost housing